Eventos promovem o debate sobre bioinformática

Publicado por CIDACS em 21/11/2017 às 17:47

Discutir sobre as contribuições da bioinformática no campo da saúde, compartilhar conhecimentos e trocar experiências. Esses são os objetivos centrais de dois eventos que acontecerão na próxima semana, em Brasília: o III Encontro Científico da Rede Centro-Oeste de Bioinformática (Recobio), promovido pela Embrapa Tabuleiros Costeiros; e o Workshop Contribuições da Bioinformática para Leishmaniose, realizado pela Fiocruz. As duas iniciativas terão como expositor o pesquisador do Centro de Integração de Dados e Conhecimentos para Saúde (Cidacs / Fiocruz Bahia) Artur Queiroz, que apresentará as metodologias aplicadas e as contribuições obtidas através de diferentes pesquisas que trabalha.

Durante o Encontro Científico da Recobio, que acontecerá entre os dias 27 e 29 de novembro, no Instituto de Biologia da Universidade de Brasília (UnB), Queiroz falará sobre a aquisição de dados, metodologia, os resultados e implicações do trabalho científico Meta-analysis of Aedes aegypti expression datasets: comparing virus infection and blood fed transcriptomes to identify markers of virus presence”. A pesquisa compara os genes de vetores infectados e não infectados como forma de identificar marcadores de infecção. 

O pesquisador estará acompanhado do seu orientando de doutorado da Fiocruz Bahia, Irahe Kasprzykowski, que apresentará os resultados prévios da tese que vem desenvolvendo: "SAGA: Sistema para análise genômica de arbovírus". O trabalho cria uma base de dados unificada contendo todos os dados existentes na atualidade sobre os vírus Zika, Chikungunya, Dengue e Febre Amarela. A expectativa é que o estudo auxilie na classificação dos subtipos de arbovírus, no mapeamento de regiões do genoma e identificação de frequência de epitopos, o que contribuirá para diagnóstico e o desenvolvimento de tratamentos e vacinas mais eficazes.

 Workshop Fiocruz

Já no dia 30 de novembro, haverá o Workshop Contribuições da Bioinformática para Leishmaniose. Na ocasião, o pesquisador apresentará a metodologia e os resultados da pesquisa “LeishDB: a database of coding gene annotation and non-coding RNAs in Leishmania braziliensis”. O estudo, publicado no mês de julho na Oxford Database, foi realizado em colaboração com pesquisadores da Universidade Mayor (Chile). Através dele, foi identificado um número de genes quase duas vezes superior aos que já estavam registrados na literatura científica sobre Leishmania braziliensis.  Além disso, o trabalho anotou genes não codificantes (micro RNAs), que até então não tinham sido registrados em nenhuma das Leishmania.

O evento acontecerá no auditório da instituição, a partir das 8h30. A atividade é gratuita e aberta ao público.

 Bioinformática

A bioinformática utiliza uma combinação de métodos da computação, estatística e matemática para gerar, integrar e analisar os dados biológicos. Utiliza algoritmos específicos da área e reconhecimento de padrões que possibilitam a identificação de informações relacionadas à biologia. No campo da saúde, vem permitindo a identificação de alterações genéticas, de estruturas proteicas e padrões de expressão de genes que podem estar relacionados a doenças, sejam genéticas ou parasitárias.

Se interessou pelo assunto? Não deixe de ler nossa matéria sobre "Big data das microcoisas: a contribuição da bioinformática para a saúde pública"