Coorte de 100 milhões de Brasileiros

O principal objetivo da “Plataforma de estudos e avaliações contínuas dos determinantes sociais e efeitos do Programa Bolsa Família e outros Programas de Proteção Social sobre a saúde – Coorte de 100 milhões de brasileiros” é criar uma coorte inédita e inovadora que viabilize o estudo das determinantes sociais e dos efeitos de políticas e programas sociais sobre os diferentes aspectos da saúde na sociedade brasileira. Para atingir esse objetivo, vincula informações dos programas sociais e de outras bases de dados de sistemas de informação em saúde, como mortalidade, nascimento, doenças infecciosas transmissíveis e não transmissíveis, entre outros desfechos. Os projetos vinculados a essa coorte processam, analisam e interpretam de forma rigorosa as informações obtidas a partir de grandes bases eletrônicas de dados, gerando novos conhecimentos úteis em processos de tomada de decisões no campo das políticas sociais - em especial aquelas focadas na redução da pobreza e das desigualdades sociais no Brasil.

Estão relacionadas a esta plataforma os seguintes projetos de pesquisa:

1. Desigualdades sociais e de saúde na população brasileira
Envolve os domínios de conhecimento sobre as desigualdades em saúde no Brasil. Enfatiza as mediações econômicas, sociais, políticas e culturais e as relações entre instituições, políticas públicas e participação da sociedade na perspectiva da cidadania.

2. Determinação social e impacto de políticas públicas na saúde materno-infantil
O objetivo desste projeto é conduzir estudos que produzam evidências consistentes e específicas para orientar as intervenções sociais em complemento a intervenções biomédicas para promover o nascimento saudável, a saúde e o desenvolvimento da criança. A proposta pressupõe que determinadas combinações de intervenções são mais eficazes para a promoção do nascimento saudável, crescimento e desenvolvimento.
Para tanto, os estudos avaliam o impacto de intervenções sociais e os determinantes sociais sobre a saúde (óbito intrauterino, prematuridade, baixo peso ao nascer, mortalidade infantil (por causa e idade) e crescimento físico) na pré-concepção, concepção ao nascimento e do nascimento até dois anos de idade, podendo eventualmente estender-se para a infância tardia, adolescência e idade adulta. Além disso, exploram estes resultados nacionalmente e por subgrupos (por exemplo, escolaridade da mãe) e período da intervenção (por exemplo, preconcepção, gravidez precoce e tardia). Avalia também os efeitos do Programa Bolsa Família nos indicadores de cuidado pré-natal (número de consultas pré-natais, quantidade de mulheres sem consulta pré-natais, número de palestras e oficinas de educação em saúde para grávidas realizadas).

3. Determinação social e impacto de políticas públicas na ocorrência de doenças infecciosas
A complexidade dos determinantes das doenças relacionadas à pobreza tem levado ao crescente consenso internacional da necessidade de intervenções intersetoriais que enfrentem de forma mais abrangente os problemas de saúde da população, especialmente dos grupos em situação de pobreza. Entre as possíveis intervenções sobre os determinantes sociais da saúde destaca-se à atuação das políticas sobre as condições materiais e psicossociais nas quais as pessoas vivem e trabalham, buscando assegurar melhor acesso à água limpa, esgoto, habitação adequada, alimentos saudáveis e nutritivos, ambientes de trabalho saudáveis, serviços de saúde e de educação de qualidade etc. A relação entre políticas sociais distributivas e seu impacto nas doenças infecciosas relacionadas à pobreza em todo o mundo tem o potencial de oferecer argumentos favoráveis a implantação de intervenções sociais - além de, e em sinergia com, as intervenções biomédicas -promover o controle das doenças relacionadas com a pobreza.

4. Determinação social e impacto de políticas públicas namorbi-mortalidade por violência
A violência é a terceira maior causa de morte e uma das principais causas de internações hospitalares no Brasil. Os determinantes da violência interpessoal e autoprovocada incluem as desigualdades econômicas e de gênero, disponibilidade de álcool, tráfico de drogas ilegais, acesso a meios letais, baixa escolaridade e desemprego. O objetivo desta linha de pesquisa é avaliar potenciais associações entre determinantes sociais, a exemplo de educação, raça, situação de emprego, renda, composição familiar, bem como o impacto do Programa Bolsa Família na redução de óbitos por violência no país, com ênfase em homicídio e suicídio.

5. Abordagens metodológicas na avaliação de impacto de políticas públicas
O objetivo deste estudo é comparar e desenvolver metodologias estatísticas que estimem de forma consistente o efeito causal de estudos de intervenção, avaliando também o controle do viés devido ao confundimento presente em estudos não experimentais, uma vez que metodologias sofisticadas de análise estatística têm sido disponibilizadas com velocidade crescente para responder a questões de investigação que não podem ser respondidas através de outros métodos de análise.